PUBLICADO EM: 17/06/2022

Mural do Rock Your Street Sul – Jaqueline Arashida e Los Pepes Studio

Capa

Rock in Rio Lisboa, Nações Unidas e a Câmara Municipal de Lisboa desafiam artistas urbanos a “pintarem” a Sustentabilidade em murais da Cidade do Rock 

 

OFERENDA, por Jaqueline Arashida

Este projeto tem como intenção nos lembrar da importância de respeitar todas as culturas e suas religiões, de forma a nunca silenciá-las.
O mural tem como inspiração a festa do dia 2 de fevereiro, que tem como tradição – na cultura popular brasileira – reverenciar Iemanjá, rainha dos mares e da fertilidade. Flores seguem em barcos, velas são acesas na beira do mar, comidas são cultuadas e a dança faz o corpo espelhar o movimento das ondas. Como já dizia Clara Nunes, memorável cantora e compositora brasileira: “não sei se é conto de areia ou se é fantasia, que a luz da candeia alumia pra gente contar”. Saravá!
Jaqueline Arashida, comunicóloga e artista visual brasileira, reside em Lisboa há 6 anos. Carrega em seu trabalho a tentativa de mesclar as suas raízes brasileiras com raízes de outras terras, com o intuito de representar corpos, rituais e formas em constante movimento – entre o tempo real e o seu tempo imaginado. Estuda diversas linguagens artísticas e gosta de misturar técnicas e aprendizagens no seu processo, seja barro, acrílico, tecidos ou poesia.

 

The Sun Loves Everyone

Somos gangsters of love. Somos pelo amor, pela paz e pela igualdade. Somos pelos direitos das pessoas, dos animais e do ambiente. Somos de todas as cores. Somos gangsters of love. Somos pela partilha e pela tolerância. Somos pelo afecto e a bondade, pela alegria e pela euforia porque mesmo na tristeza temos sempre um sol para partilhar com alguém.

Los Pepes Studio é uma dupla de artistas visuais portugueses, Meggie Prata (n.1993) e Francisco Leal (n.1992). O background dos dois artistas, ligado às artes plásticas e ao design, juntou-os no Mestrado de Arte e Design para o Espaço Público, onde se conheceram e se formaram como equipa em 2015. O seu trabalho, focado principalmente na arte urbana e pintura, tem um carácter eufórico que se exprime através de cores vivas e padrões geométricos. O processo criativo da dupla passa por um diálogo visual entre os dois artistas, desenvolvendo os projectos de forma dinâmica e intuitiva. Os seus murais podem ser vistos principalmente em Portugal, tendo também trabalho em França e na Hungria.

 

As ODS’s presentes no Mural 

 

ODS 4 – Educação de qualidade

Desde o ano 2000 que se têm visto progressos em tornar o ensino primário universal. A taxa total de matrículas nas regiões em desenvolvimento atingiu 91% em 2015 e o número mundial de crianças fora da escola diminuiu quase para metade. As taxas de alfabetização têm aumentado e vê-se, mais do que nunca, raparigas nas escolas.

Na Ásia Ocidental e no Norte de África, os conflitos armados em curso têm refletido um aumento do número de crianças fora da escola mas ainda subsistem grandes disparidades. As crianças de famílias mais pobres têm até quatro vezes mais probabilidades de não frequentarem a escola do que as de famílias mais ricas.

 

Situação em Portugal*: 

O ODS 4 apresenta uma maioria de indicadores favoráveis. Com efeito, face a 2015, as taxas de conclusão do ensino básico e secundário aumentaram, a par da taxa de escolarização aos 5 anos. Estes indicadores não terão sido afetados pela pandemia no ano de 2020, uma vez que continuaram a aumentar. As tendências têm sido menos favoráveis para os resultados e competências educativas em algumas áreas. A proporção de alunos com proficiência em leitura, medida no estudo PISA da OCDE, diminuiu entre 2015 e 2018. No entanto, a proficiência em matemática, medida pelo mesmo estudo, aumentou. Em termos de paridade por sexo, a tendência foi favorável na leitura e matemática. Por fim, o volume de Ajuda Pública ao Desenvolvimento para bolsas registou um aumento face a 2015, tendo, no entanto, observado uma redução significativa entre 2019 e 2020, possivelmente associada à pandemia e ao seu impacto nas deslocações.

 

O que o RIR faz: 

– Construção de uma Escola na Tanzânia;

– Construção de 14 salas sensoriais em Portugal;

– Formação em especialistas de eventos.

 

O que tu podes fazer: 

– Ajuda a ensinar a tua língua materna aos imigrantes da tua cidade;

– Partilha histórias positivas e de sucesso, mesmo as que não são publicadas nos jornais;

– Partilha as tuas competências e talentos com aqueles que precisam.

 

ODS 5 – Igualdade de Género

Acabar com toda a discriminação contra mulheres e raparigas não é apenas um direito humano básico, é também crucial para um futuro sustentável. Está provado que dar poder às mulheres e raparigas ajuda o crescimento económico e o desenvolvimento.

Embora haja mais mulheres do que nunca no mercado de trabalho, ainda existem grandes desigualdades em algumas regiões, sendo sistematicamente negados às mulheres os mesmos direitos laborais que aos homens. A violência e exploração sexual, a divisão desigual dos cuidados não remunerados e do trabalho doméstico e a discriminação nos cargos públicos continuam a ser barreiras que se fazem sentir.

 

Situação em Portugal*: 

O ODS 5 apresenta desenvolvimentos maioritariamente favoráveis nas áreas monitorizadas. Em 2022 existem mais mulheres eleitas para a Assembleia da República que em 2015 (embora se verifique uma redução nas eleições de 2022 face às de 2019), mas menos mulheres presidentes de municípios, comparando as eleições de 2021 e 2017. A proporção de mulheres com cargos de chefia também aumentou, inclusivamente na Administração Pública. Na agricultura, a proporção de mulheres dirigentes em explorações por conta própria também subiu. Apesar destas melhorias a situação do género permanece longe da paridade nestas áreas.

 

O que o RIR faz: 

– Investimento na formação de 60 mulheres desempregadas;

– Mais de 60% da nossa equipa são mulheres.

 

O que tu podes fazer: 

– Promove a formação profissional de mulheres que ajude a desenvolver as suas carreiras e autoconfiança;

– A igualdade de género começa dentro de tua casa;

– Apadrinha uma criança que precise de apoio.

 

ODS 10 – Reduzir as desigualdades

A desigualdade de rendimentos está a aumentar – os 10% mais ricos têm até 40% do rendimento global, enquanto os 10% mais pobres ganham apenas entre 2% a 7%. Se for tida em conta a diferença de crescimento populacional nos países em desenvolvimento, a desigualdade aumenta 11%.

A desigualdade de rendimentos aumentou em quase todo o lado nas últimas décadas, mas a ritmos diferentes. É mais baixa na Europa e mais alta no Médio Oriente. Estas disparidades crescentes exigem políticas sólidas para capacitar os mais baixos rendimentos e promover a inclusão económica de todos, independentemente do género, raça ou etnia.

 

Situação em Portugal*: 

Os desenvolvimentos na área do ODS 10 revelam um quadro maioritariamente favorável. O rendimento médio aumentou (note-se, porém, que diminuiu entre 2019 e 2020 para os 40% da população com menores recursos). A proporção de pessoas em agregados familiares com um rendimento equivalente inferior a 50% do rendimento equivalente mediano diminuiu desde 2015, evolução interrompida no ano de 2020. A proporção do trabalho no PIB aumentou em 2019 face a 2015. O impacto redistributivo da política fiscal (avaliado pelo diferencial entre o Coeficiente de Gini do rendimento monetário bruto e líquido) apresentou uma tendência desfavorável, tendo diminuído o diferencial no período. A evolução da solidez financeira foi, em geral, positiva, nomeadamente com uma diminuição do crédito malparado. Portugal melhorou em termos do indicador que avalia as políticas de migração que facilitam a migração e a mobilidade de pessoas ordenada, segura, regular e responsável. O custo das remessas de emigrantes em proporção do valor remitido tem vindo a diminuir, embora em 2019 tenha aumentado face a 2018. A Ajuda Pública ao Desenvolvimento, outros fluxos oficias e apoios privados aumentaram em 2020, face a 2015. Contudo, o investimento direto estrangeiro passou de uma situação de saldo positivo em 2015-2019 para saldo negativo em 2020, agravado em 2021. Embora as desigualdades de rendimento tenham diminuído até 2019, estas ter-se-ão intensificado em 2020, a avaliar pelos resultados do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, nomeadamente o aumento do Coeficiente de Gini.

 

O que o RIR faz: 

Fomento da igualdade através da política de sustentabilidade + Rock Street dedicada ao tema da pluralidade + Mais de 60% da nossa equipa são mulheres + Palco Yorn vai colocar luz nos talentos dos bairros sociais + Signatários da Casa Portuguesa para a Diversidade e Inclusão + Projeto de acessibilidades e inclusão que permite o acesso a todos à Cidade do Rock + Inclusão na equipa de pessoas com deficiência (APERCIM e APPCDM)

 

O que tu podes fazer: 

– Encoraja as crianças a fazerem amizade com crianças de outras culturas;

– Uma vez por mês, toma um café com uma pessoa de outra etnia, cultura, idade ou crença;

– Ajuda a acabar com estereótipos. Escreve e publica textos que sensibilizem as pessoas a mudar de mentalidade.

 

ODS 16 – Paz, Justiça e Instituições eficazes 

Não se pode esperar um desenvolvimento sustentável sem paz, estabilidade, direitos humanos e governação eficaz, baseados no Estado de Direito. No entanto, o mundo está cada vez mais dividido. Algumas regiões gozam de paz, segurança e prosperidade, enquanto outras caem em ciclos aparentemente intermináveis de conflito e violência. Isto não é inevitável e deve ser abordado.

A violência armada e a insegurança têm um impacto destrutivo no desenvolvimento de um país, afetando o crescimento económico e resultando frequentemente em consequências que duram gerações. A violência sexual, o crime, a exploração e a tortura prevalecem onde há conflito, ou não há Estado de Direito, devendo os países tomar medidas para proteger aqueles que estão mais em risco.

 

Situação em Portugal*: 

A maioria dos indicadores do ODS 16 apresentaram tendências favoráveis face a 2015. As mortes causadas por homicídio diminuíram relativamente a 2015. Apesar da tendência crescente no número de vítimas detetadas de tráfico de seres humanos até 2019, em 2020 esse número caiu para quase metade no contexto da pandemia. A proporção de pessoas que se sentem seguras quando passeiam sozinhas depois de escurecer aumentou ligeiramente e o índice de perceção da corrupção diminuiu em relação a 2015, também levemente. O número de mulheres dirigentes no setor da Administração Pública e mulheres eleitas para a Assembleia da República aumentou face a 2015, tendo-se registado, no entanto, um decréscimo de 4,5% entre as eleições de 2022 e 2019. Contrariamente à evolução desejável, observa-se um aumento da proporção de reclusos preventivos, e de forma significativa em 2020, e do número de armas de fogo apreendidas, entregues/recuperadas pela polícia, mais do que duplicando entre 2015 e 2020.

 

O que o RIR faz: 

– Medidas anti-suborno e corrupção, incluídas na política de sustentabilidade.

 

O que tu podes fazer: 

– Exprime a tua opinião e vota nas eleições do teu país;

– Participa nos processos de tomada de decisão;

– Ajuda a combater a violência contra as mulheres. Denuncia.

 

*Fonte: Instituto Nacional de Estatística

Podes ver mais informações em Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ONU Portugal (unric.org)

OUTRAS NOVIDADES